Portal da Prefeitura de Campo Largo.

Campo Largo é o único município do Paraná entre as Cidades Resilientes

Por Sara Carvalho, Assessoria de Comunicação CEPED/PR.

Publicada em: 21/02/2018 às 15:23

Campo Largo é o único município do Paraná indicado a participar da etapa continental da campanha das Nações Unidas “Construindo Cidades Resilientes”, lançada em 2010. Durante uma reunião entre o prefeito Marcelo Puppi (DEM) e o Major Eduardo Pinheiro, chefe do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (CEPED/PR), na prefeitura da cidade, foram acertados os detalhes para a execução de mais uma etapa do processo: a criação do Comitê Municipal de Resiliência, formado por uma equipe multidisciplinar que terá a liderança do prefeito.

 

A bióloga da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Walquíria Menna Brusamolin, o coordenador da Defesa Civil do município, Wilson Battochio e o secretário adjunto do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, Juarez Carvalho, participaram do encontro, e ficaram incumbidos de indicar e reunir as pessoas que vão integrar o comitê. Segundo Pinheiro, a Defesa Civil do município fará parte desse grupo, assim como as secretarias que têm uma relação direta com a redução dos desastres, entre elas, a do Meio Ambiente e da Saúde.

 

A primeira tarefa do comitê será fazer uma autoavaliação da capacidade de resiliência do município em relação às catástrofes por meio do preenchimento do formulário (LG-Sat) composto por um pouco mais de 100 perguntas. "Esse passo é importante porque mostra em que nível de resiliência o município se encontra, e serve também para que as pessoas envolvidas no processo possam entender qual é a relação entre a área em que atuam e a resiliência, isso porque resiliência e desastre não são questões apenas de responsabilidade da Defesa Civil. A resiliência envolve a otimização de tudo que já vem sendo realizado no município, agregando a isso, o pensamento para reduzir desastres. Enfim, não é fazer nada novo, é fazer diferente e melhor”, argumenta o major Pinheiro.

 

Marcelo Puppi também determinou que o tema resiliência seja incluído nos maiores projetos que vão ser executados pela administração municipal ao longo da gestão, tanto na área de mobilidade urbana, quanto na área de infraestrutura, e principalmente, avançar para “praticamente, transformar a cidade por meio da resiliência”.

 

Assim que o relatório da autoavaliação for concluído, a ONU será comunicada e a realização de mais uma fase do processo será notícia no Brasil. “Nós temos tudo para fazer o melhor trabalho aqui na cidade”, avalia Pinheiro, que reforça ser objetivo do CEPED/PR, e do secretário-chefe da Casa Militar do Paraná, coronel Élio de Oliveira Manoel, assessorar a prefeitura de Campo Largo para que “tenhamos o melhor município em termos de resiliência no Brasil”. E garante que todo o conhecimento do Centro Universitário já está à disposição dos gestores para que possa ser aplicado na cidade.

 

CIDADES RESILIENTES

O Paraná tem o maior número proporcional de municípios que aderiram à campanha, um percentual que passa dos 80 por cento. “A quantidade não é tão importante quanto o bom exemplo que a cidade pode vir a ser em termos de resiliência. O nosso objetivo é propagar Campo Largo como exemplo de resiliência no Paraná e no Brasil”, avalia Pinheiro.

 

O prefeito de Campo Largo também solicitou que sejam convidados para a reunião de apresentação da campanha “Construindo Cidades Resilientes”, empresários e representantes de grandes empresas instaladas na cidade. Ele diz que quer ter as portas abertas dessas empresas para que possa falar de resiliência também dentro delas e assim, mobilizar um número maior de pessoas. “Essa campanha também tem que passar por escolas e postos de saúde”, determina Puppi.

 

O prefeito Marcelo Puppi disse que o convite da Casa Militar para que o município participasse da campanha da ONU, foi de encontro a uma preocupação que ele já vinha tendo em função dos estragos que os últimos temporais causaram à cidade. “Nos últimos anos, as tempestades praticamente destruíram a cidade. “Muitas vezes tivemos que nos levantar, principalmente pela força do próprio povo. Como diz a letra do samba Levanta, sacode a poeira e dá volta por cima. E foi sempre o que Campo Largo fez, e com uma rapidez impressionante em todas as áreas”.

 

Em 2014, o município foi atingido por uma intensa tempestade de granizo que causou muitos prejuízos à população de toda a região. E outros temporais vieram na sequência. “Todos da cidade tiveram prejuízos enormes. Os distritos de Bateias e de Ferraria quase foram destruídos”. Com experiências tão ruins, o prefeito afirma que não quer mais esperar os desastres acontecerem. “Nós temos que ser resilientes. Precisamos saber que esses fenômenos vão acontecer cada vez mais e que precisamos estar atentos. E ainda, dar respostas para Campo Largo, para o Paraná, e para o Brasil de que nós temos uma cidade que é capaz de se levantar”.

 

CAMPANHA “CIDADES RESILIENTES”

Com a participação na campanha, o município consegue identificar os riscos de desastres, e assim, elaborar um planejamento de prevenção, ação que demonstra a preocupação da gestão com o bem estar da população.

Além disso, o município será reconhecido pela Organização das Nações Unidas – ONU, por meio do Escritório das Nações Unidas para Redução do Risco de Desastres – UNISDR.

 

Notícias na mesma categoria

Tiro de Guerra de Campo Largo finaliza sua Campanha do Agasalho
Protocolo da Prefeitura não fecha no horário de almoço
Dificuldade de tráfego na Estrada do Cerne prejudica aulas no Interior
Prefeitura abre duas vagas para a Central de Luto (Servidor Público)
Prefeitura Municipal de Campo Largo não terá expediente nesta sexta-feira (1º)